5 dicas para ter um bom relacionamento com a babá do seu filho

Nanny McPhee, Marry Poppins, Annie… Você sonha com alguma das babás dos filmes? Certamente, gostaria de voltar ao trabalho com tranquilidade, sabendo que seu filho está sendo cuidado por uma pessoa carinhosa, dedicada e calma. Mas teme entrar em conflito com a profissional que ficará responsável pela criança. A seguir, veja as nossas dicas para que a relação entre vocês seja realmente de cinema.

Confie na babá

É importante que você tenha segurança em deixar seu filho aos cuidados de alguém. Para que esse laço de confiança exista, seja seletivo na contratação. Escolha uma babá que tenha compatibilidade com o perfil de sua família – para descobrir se há essa similaridade de hábitos, converse com ela e pergunte sobre o que faria em determinadas situações (diante de birra, de falta de apetite da criança, etc). Preste atenção se, ao ouvir a candidata falando, é possível notar que ela tem carinho ao falar de crianças.

Outro cuidado essencial é pedir referências anteriores e checá-las. Em agências de babás, os nomes dos contratantes na carteira de trabalho são procurados e questionados sobre o desempenho da profissional.

Combine detalhes burocráticos

Se você optou por contratar a babá, negocie com ela, logo na primeira conversa, questões trabalhistas: salário, frequência de folgas, horário de entrada e de saída, se haverá vale-transporte e permissão para usar o telefone da casa. Também questione se ela terá disponibilidade para viajar com a família ou dormir por uma noite em sua casa. Formalizar esses combinados pode evitar decepções e atritos futuros. Não se esqueça de respeitar as leis e direitos dos trabalhadores domésticos.

É nesse momento que você deve combinar também quais são as tarefas da babá. Lembre-se de ouvi-la: pode ser que ela não se sinta à vontade, por exemplo, em ajudar a criança na lição de casa. Por isso, para que não haja um desconforto entre todos, faça uma lista escrita com as obrigações profissionais dela. Não imponha nada: a relação entre pais e babá deve ser baseada em um consenso. Quando cada uma das partes deixa evidente o que espera da outra, as decepções são evitadas.

Comunique qual rotina deve ser seguida

Você sabe que é essencial para a saúde do seu filho que uma rotina seja seguida. Portanto, explique à babá detalhes como o horário em que ele deve se alimentar, tirar a soneca, brincar e dormir, por exemplo. Explique a ela qual a pomada é usada para assadura e a quais substâncias a criança é alérgica. A babá pode discordar de algum hábito da família – mesmo assim, deve seguir as práticas dos pais. Esclareça que não cabe a ela modificar as regras, sem comunicar anteriormente.

Também deixe explícito se haverá permissão para passear com seu filho pela rua ou para dar um medicamento em caso de febre. Pendure os comunicados mais importantes na porta do armário, para que fiquem sempre visíveis. Se você não combinar quais medidas devem ser tomadas nessas situações, poderá viver um momento de desconforto com a babá. Só é possível cobrar determinada postura dela se tudo já estiver negociado antes.

Tenham contato diário

Diga à babá qual forma de comunicação você prefere: chat online, mensagem de celular, ligação ou e-mail. Também deixe anotado em um papel outros números que possam ser contatados em caso de emergência – pode ser o dos avós ou de sua vizinha, por exemplo.

Mas atenção: não é só em situações extremas que vocês devem conversar. “A comunicação precisa ser constante. Todo dia, a babá deve contar aos pais se a criança se comportou de forma estranha, demonstrou falta de apetite ou raspou o joelho no escorregador do parquinho”, explica Patrícia Izidoro, psicóloga do Hospital Pequeno Príncipe (PR). Os momentos bons também podem ser compartilhados, como o filme que seu filho viu à tarde e adorou. Esse hábito de contato diário, além de beneficiar a criança, é uma forma de resolver possíveis desentendimentos de imediato. A relação de confiança vai se estabelecendo ainda mais.

Ninguém substitui ninguém

Nós sabemos que é difícil conciliar o trabalho com a vida pessoal. Mas não importa: mesmo que você trabalhe durante o dia inteiro, reserve ao menos um momento para ter contato com o seu filho. É comum que os pais cheguem em casa cansados, brinquem com o bebê e, quando ele faz xixi, chamem a babá para trocar a fralda. Evite esse tipo de situação: não delegue todas as tarefas à profissional. Sempre que estiver disponível, dê banho na criança, corte as unhas dela ou prepare a papinha. Essas tarefas só devem ser incumbidas a outra pessoa na ausência dos pais.

E se seu filho sentir falta da babá? Você até pode ter ciúmes. Mas pense: se está sentindo falta, é porque é bem tratado e tem carinho por ela! Diga, em resposta: “Ela é uma querida mesmo. Na segunda-feira, a gente pode reencontrá-la! Eu também sinto sua falta quando estou no trabalho”. Fique tranquilo – ninguém substitui ninguém. “A babá está ali para somar, e não para assumir o posto dos pais. Ela só ocupará o lugar da mãe se a vaga não estiver preenchida”, afirma a psicóloga. E não importa que ela passe mais tempo com a criança do que você. É qualidade dos momentos de união que importa – e não a quantidade. Há espaço para todo mundo!

Fonte: Crescer

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>